quinta-feira, 16 de julho de 2015

Para economizar em época de crise financeira



Economize com organização, disposição para mudanças e criatividade
Para fazer com que o dinheiro dure até o fim do mês. 

1) Faça um diário financeiro
Ajuda a identificar onde você gasta a mais. Anote quanto ganha, as dívidas e a quantia que você pretende guardar (se esse é o objetivo). Não se esqueça de tomar nota mesmo das despesas pequenas, como as da padaria. No fim do mês, analise o diário para descobrir por onde o dinheiro está escapando.

2) Aceite que é necessário fazer escolhas
Quando a situação aperta, a família tem de entender que é preciso optar entre programas e compras. Por exemplo: ou vocês vão ao musical, ou compram algum objeto para a casa.

3) Aproveite os programas gratuitos
Informe-se nos jornais e sites da sua cidade. Uma ótima sugestão é trocar o cinema por um piquenique em um parque público. Também vale planejar uma tarde de brincadeiras em casa com os colegas do seu filho.

4) Faça uma lista de compras
Antes de ir ao supermercado, anote o que está faltando na despensa. Assim, você não se perde entre as tentações das prateleiras. Planejar as compras semanalmente também evita exageros (comuns quando se fica um longo período sem ir às compras).

5) Não jogue comida fora
Com feijão, faça sopa; com arroz, carne assada ou o que sobrou da bacalhoada, prepare bolinhos. As frutas maduras demais viram compotas, geleias e recheios para bolo.

6) Combine parcerias com as crianças no supermercado
Ao preparar a lista de compras, chame seu filho e explique que ele será responsável pelos sabonetes, por exemplo (evite salgadinhos e guloseimas). Ao se sentir responsável, ele não vai pedir bolacha nem fazer escândalo pelos corredores.

7) Negocie com seu filho
Converse com a criança e explique que ela poderá escolher apenas um produto no supermercado. Pode ser um chocolate, um pacote de biscoito ou uma guloseima. Mas será apenas um, sem discussão.

8) Conheça as marcas próprias
As grandes redes de supermercado possuem produtos de marca própria que são até 60% mais baratos do que os outros. Pode confiar: o fabricante, muitas vezes, é o mesmo dos produtos mais famosos – e caros.

9) Calcule as promoções
Fique atenta às promoções “leve 3 e pague 2” e aos produtos em pacotes maiores. Tenha uma calculadora sempre à mão para conferir se vale a pena.

10) Aproveite feiras e sacolões
Outra dica que vale para sempre: frutas, verduras e legumes costumam ser mais baratos e mais fresquinhos nas feiras e sacolões de bairro do que nos supermercados

11) Cuidado com as prateleiras
Antes de escolher um produto, dê uma boa olhada em toda a seção. Aqueles que ficam na linha dos olhos costumam ser mais caros. Por isso, não deixe de abaixar ou ficar na ponta dos pés para conferir outros preços.

12) Faça trocas
Combine com os pais dos amigos da escola e promova permutas de brinquedos e livros infantis em bom estado. É uma maneira simples de economizar e renovar as brincadeiras.

13) Cuidado com o cheque especial e empréstimo fácil
Recorrer a essas opções é uma saída de emergência - e que deve ser evitada. Mas, se acontecer, procure o gerente da sua agência bancária. Peça a ele para cancelar o cheque especial e negocie uma linha de crédito pessoal para ser paga em até 12 vezes.

14) Evite viajar para os lugares da moda
Não vá para os mais badalados, onde tudo é muito mais caro, principalmente com crianças. Se possível, viaje fora da alta temporada, que acontece entre novembro e janeiro e entre junho e agosto.

15) Busque pousadas com cozinha
Em vez de ficar em hotéis que oferecem apenas o café da manhã, prefira um local com cozinha. Assim, você prepara as refeições, em vez de almoçar e jantar em restaurantes - e ainda prepara lanches para a manhã e tarde.

16) Presentes para crianças compre de uma vez só
Se você deixar para comprar os presentes na última hora, vai gastar mais. Por isso, procure uma opção unissex, como um quebra-cabeça, livros ou brinquedos de madeira, e compre em grande quantidade para pedir desconto. Ou descubra uma liquidação de brinquedos – lojas pequenas costumam fazer pelo menos duas durante o ano.

17) Aprenda a usar o cartão de crédito
Reúna todos os gastos em apenas uma fatura para facilitar a visualização das dívidas. Outras dicas valiosas: negociar a anuidade, não parcelar as compras e nem pagar a parcela mínima. E agende o pagamento para cinco dias após receber o salário - assim, se a sua remuneração atrasar alguns dias, você não pagará os juros altíssimos.

18) Invista em tamanhos grandes
Quando não ficar esquisito, compre roupas um pouco maiores para seu filho. Essa é uma forma de garantir que eles usarão a peça por mais tempo.



19) Não pague pela etiqueta
Não caia na cilada de escolher roupas caras por causa da marca. Roupa tem que ser feita com um tecido confortável que não provoque alergia. E que sejam bonitas, claro.
20) Bela, mas sem gastar tanto
Dá para espaçar mais as suas visitas ao salão – que tal de 15 em 15 dias? Também vale combinar um bom desconto. Ou, ainda, aprender a fazer aquela escova em casa.
21) Vamos de metrô?
Deixar o carro na garagem e utilizar o transporte público reduz os gastos (com combustível e estacionamento, por exemplo).

22) Negocie a mensalidade da escola
Está devendo alguns meses? Faça uma proposta ao setor financeiro da escola. Por exemplo: se você deve R$ 1 mil, mas pode pagar apenas R$ 200 por mês, proponha esse valor e peça a isenção dos juros. Se a oferta não for aceita, guarde o valor todos os meses e, quando juntar uma boa quantia, volte a conversar com o colégio. Não se esqueça de pedir um desconto se os seus filhos estiverem matriculados na mesma escola. Lembre-se de que, quanto maior o número de crianças, mais argumentos você tem para diminuir o valor da parcela.

23) Organize as contas fixas
Tente negociar um desconto ao contratar os serviços de TV por assinatura, internet banda larga e telefone fixo de apenas uma empresa. Aproveite a portabilidade e analise o melhor plano de celular para a sua família.


24) E a mesada das crianças?
Quando o orçamento aperta é hora de reunir a família para conversar. Explique a situação para os filhos e peça a colaboração de todos. Mas não corte o dinheiro da semana ou do mês por inteiro, apenas reduza o valor.

25) Festa em casa
Abrir mão do bufê e fazer a festa de aniversário do seu filho em casa pode ser uma boa pedida. Pesquise brincadeiras na internet para entreter a criançada, peça ajuda dos parentes. Faça a decoração e os comes e bebes, que não precisam ir além de sanduíche, bolo e refrigerante.

26) Faça depois, mas faça benfeito

Está sem dinheiro para imprimir as fotos do aniversário? Grave tudo pen drive ou HD externo, assim que o orçamento respirar, monte um lindo álbum.


27) Evite Bebidas durante as refeições

Encarecem muito o valor total da conta de restaurante. Por isso, peça somente se for necessário. Também, pergunte sempre aos funcionários do estabelecimento se eles não oferecem água gratuita (muitos lugares estão adotando essa medida).


28) Pagar por serviços específicos
Se você souber fazer as próprias unhas, por exemplo, por que não fazer em casa ao invés de ir até a manicure? Por mais que o tempo seja precioso, as pessoas tem mania de redirecionar serviços simples enquanto poderiam fazê-los sozinhas.

29) Compra de aplicativos, e-books e jogos
Por mais que $1,99 pareça pouco de primeira vista, se você for pensar quantas vezes já gastou esse valor, você verá que não é pouco. Às vezes, essas compras são realizadas por impulso e sem pensar se serão realmente utilizados. Por isso, pense duas vezes antes de adquiri-los.

30) Não usar desconto de estudante ou outros benefícios
Todos os descontos que te oferecerem, utilize-os. Não deixe passar cupons de desconto para restaurantes que você quer ir ou promoções de lojas em que você quer fazer compras. Além disso, tenha certeza de que está sempre com a cartão de estudante na carteira quando for ao cinema ou outros eventos em que há desconto para estudantes.

31) Sim para dinheiro, não para cartões.
Quando pagamos com dinheiro gastamos menos do que quando pagamos com cartões, pois podemos visualizar o dinheiro que estamos perdendo, permitindo regulação subconsciente.





A maioria das pessoas não sabem que eles pagam para "taxas de vampiros" quando os seus dispositivos estão conectados, mas não estão sendo usados. Use um filtro de linha para ligar os seus dispositivos para dentro e para impedir que isto aconteça.





Fontes: 
Celso Ricardo Salazar Valentim, economista e autor do blog O Economista; Elizabete Presa, consultora em economia doméstica; Cássia D’Aquino, especialista em educação financeira; Reinaldo Domingos, educador, terapeuta financeiro e autor do livro Terapia Financeira, Crescer
http://www.easy-diys.com/18-life-hacks-that-will-help-you-survive-between-pay-days/